07 junho 2009


Sei quando é hora de se retirar
Deixar o palco, sair de cena
Findar o enredo, mudar de tema,
Sofrer calada, fingir-se conformada.
Sei que não será fácil
A curto prazo, te esquecer...
Tentarei!Que mais me resta fazer?
Serão dias de amargura, de tortura,
Anos, talvez!Ou nunca!
Não quero crer!
Sei que quando as palavras
Soam falsas, faladas só por falar,
Em contraste com o brilho frio do olhar
É quando morre o amor, dando passagem à dor,
Fato irreversível...
Tolice querer se enganar!
Sei também que não sou a única
A chorar um amor perdido
Esse sofrimento não me é exclusivo...
E dele se tira preciosa lição...
Caminho tortuoso rumo à evolução.
Meu coração em frangalhos, aturdido,
Será por mim costurado, reconstruído
E mesmo a longo prazo, ficará apto
Pra viver um grande amor!
Que as lágrimas lavem minh’alma
Que a restaure para o que virá
Que eu me apaixone de novo pela vida,
Ah!Sei que isso só o tempo dirá!

Nenhum comentário: