31 março 2010

Eu?





Eu sou a que no mundo anda perdida.
Eu sou a que na vida não tem norte.
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte.
Sou a crucificada... a dolorida...
Sombra de névoa tênue e esvaecida, e que o destino amargo, triste e forte impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...
Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber por quê...
Sou talvez a visão que alguém sonhou...alguém que veio ao mundo pra me ver e que nunca na vida me encontrou!

Florbela Espanca

Que revolta!!!




Porquê???
A Vida por vezes nos traz desilusões....e bem grandes....
Raiva, Ódio, Choro....Vêm com essas desilusões....
Sente-se um sentimento esmagador...um aperto interior que simplesmente não dá para explicar...
Razão para dizer e afirmar: P*** de Vida!
Porquê nos pregam tantas partidas....Quando parece que tudo está a correr pelo melhor...Vem alguém e nos "puxa o dito tapete"....
Porra! Que Sentimento de Revolta....

22 março 2010

Dificil não é lutar por aquilo que se quer, e sim desistir daquilo que se mais ama.




Eu desisti. Mas não pense que foi por não ter coragem de lutar, e sim por não ter mais condições de sofrer




"Escrevo como que para salvar a vida de alguém.Provavelmente a minha."

Clarice Lispector.

21 março 2010

Vazia....


O que eu quero ainda não conheço
Mas estou pronta para sua chegada
Por enquanto apenas o silêncio
Coração vazio
Como uma casa desocupada
Uma casa que foi habitada
Só por quem não mereceu
Não deu valor
E me perdeu

10 março 2010


Não vou medir as palavras.

Mesmo que a verdade assuste,
mesmo que meu ato magoe,
não vou guardar o que penso
dentro de mim.

Não vou mascarar sentimentos,
não vou iludir pessoas com
gestos superficiais.

Sem medo de ser eu,
sem fazer esforço para agradar.


Autora: Sandra Ribeiro

08 março 2010


"Ando me estranhando...
passei todos meus limites:
Anteontem liguei para mim mesma.
E não atendi, de medo de não me achar."

06 março 2010

Menos



Eu preciso aprender a ser menos. Menos dramática. Menos intensa. Menos exagerada. Alguém já desejou isso na vida: ser menos? Pois é. Estranho. Mas eu preciso. Nesse minuto, nesse segundo, por favor, me bloqueie o coração, me cale o pensamento, me dê uma droga forte para tranqüilizar a alma. Porque eu preciso. E preciso muito. Eu preciso diminuir o ritmo, abaixar o volume, andar na velocidade permitida, não atropelar quem chega, não tropeçar em mim mesma. Eu preciso respirar. Me aperte o pause, me deixe em stand by, eu não dou conta do meu coração que quer muito. Eu preciso desatar o nó. Eu preciso sentir menos, sonhar menos, amar menos, sofrer menos ainda. Aonde está a placa de PARE bem no meio da minha frase? Confesso: eu não consigo. Nada em mim pára, nada em mim é morno, nada é pouco, não existe sinal vermelho no meu caminho que se abre e me chama. E eu vou... Com o coração na mochila, o lápis borrado, o sorriso e a dúvida, a coragem e o medo, mas vou... Não digo: "estou indo", não digo: "daqui a pouco", nada tem hora a não ser agora. Existe aí algum remedinho para não-sentir? Existe alguma terapia, acupuntura, pedras, cores e aromas para me calar a alma e deixar mudo o pensamento? Quer saber? Existe. Existe e eu preciso. Preciso e não quero.

Silêncio




Para não sofrer ainda mais ela decidiu silenciar... deixar as palavras morrerem dentro dela, resolveu que não ia mais esperar por algo que ela sabia que não viria... Decidiu que não falaria mais nisso, como se não falando não pudesse mais pensar... não pudesse mais sentir... SILÊNCIO... era ela agora quem optava por ele... Ela que já quis tanto as palavras, agora já não quer mais nada, não quer falar, já não quer ouvir (não pelo menos agora)... E pensar que tudo que ela queria era apenas um MOMENTO, um único que fosse... um único momento em que o olhar serenasse as mágoas e apenas as almas falassem... Mas, agora... Agora é só SILÊNCIO, é só um MOMENTO... Momento preso no peito, momento desfeito no jeito torto de demonstrar amor, momento em que a garganta tola ainda arranha um soluço mais tolo ainda, momento de um sussurro morto em que o coração se arrebenta, mas não deixa sair...!



Ela precisa de um tempo disso tudo

Quem sabe um tempo sem "sentir" ...

14 fevereiro 2010

Abismo


E se eu escrevo o que sinto, é que a palavra tem o condão de me retirar do abismo em que por vezes me encontro...

17 janeiro 2010

Chega....





Não quero mais brincar de gostar de você
Não quero mais pensar em como poderia ser
Como poderíamos fazer...
Queria te roubar pra mim
Ter sua companhia e trazer pra minha vida
sua impetuosidade, um pouco do teu mau humor
Da tua mania de querer tudo pra si, do teu egoísmo,
do teu jeito de “Ser”, tão diferente do meu ...
Queria te dar um pouco de paz , de mansidão, de domínio próprio
Mas as coisas não são tão simples assim, não basta querer
Estamos cercados de tradições, conceitos e preconceitos
A conveniência tomou conta de nossas vidas e entao, passamos a
Conviver com desejos impossíveis, “pecados ocultos” e corações aflitos
Buscando algo que certamente as regras não nos permitirão encontrar, tão pouco realizar.
O medo das conseqüências impedem nosso agir e pairamos pela incerteza
Quero me libertar destes sentimentos que me confundem, quero voltar a raciocinar
A falta deste encontro me “emburrece” e me sufoca, quero voltar a respirar e apreciar
A vida cotidiana e tranqüila em que vivia antes de te encontrar
Fazer de conta que as coincidências existem e você foi apenas uma delas
Quero guardar meus sentimentos e preservar o meu eu, por isso, chega !
Essa brincadeira só faz aflorar minhas incertezas e enlouquece a minha alma
Por tudo isso chega! Essa brincadeira só faz me sofrer.
Chega de brincar de te querer

Vc não respeitou meus sentimentos..... nem muito menos a minha amizade

Uma enorme falta de consideração e respeito

15 janeiro 2010

O destino brinca comigo



No silencio da noite fria você surge
Vagueia meus pensamentos fragmentados
Sentimentos fragilizados
Voo pra longe de mim.
Ninhos desfeitos, sonhos abortados.Lágrimas.
Caminhos interrompidos
E o destino brinca comigo!

No teu amor, me senti amada
Nos teus braços, protegida
Na tua vida, fui a esperança
Na minha vida, o recomeço
O último amor que me conduziu a alma
O único que aqui vive...eternamente
E o destino brinca comigo!

Perolas morrem ...colar desfeito
Do pouco, fiz muito. Do azedo, fiz mel
Das dores, o sorriso
Das cores opacas, a luz cintilante
A saída do labirinto...
Navegando em ti achei abrigo
E o destino brinca comigo

Tremores, abalos, vulcões e maremotos
Misturam às flores, doces e fragancias
Tropeço, levanto, perco a direção
Toma-me às inquietações, incertezas
Sonhos esvanecidos na madrugada
Nosso amor, nosso porto seguro
Mas o destino, teima em brincar comigo!